03/04/2018

Relaxar, desenhar e relaxar


Depois da provação de uma oficina de dia inteiro, em Portimão, um breve repouso está sempre na ordem do dia, quer para participantes como para formadores. Cerveja, um desenho mais relaxado, novos conhecimentos, novos materiais de desenho, e cerveja. Os resistentes foram: o Filipe, um excelente desenhador a dar para a banda desenhada, alguém cujo trabalho admirava já há algum tempo; o Javier, vindo de Sevilha, tornando este um encontro internacional (ou pelo menos Ibérico); a Inês e o António, os meus companheiros de viagem; partilhámos histórias e bebidas no fresco final de tarde de sábado.


O domingo não prometia nem sol nem calmaria. Perto do Clube Naval, alguns marinheiros muito jovens preparavam os veleiros. Connosco estavam menos desenhadores, mas mais bravos. Os resistentes foram recompensados pelo almoço-convívio do costume na Porta Velha, gentilmente ofecerecido aos participantes pelo Município de Portimão.



Publicado também AQUI

02/04/2018

As formas de um formador


A primeira vez que me encontrei com o António Procópio foi durante a sua oficina na Casa-Atelier Vieira da Silva, há quase três anos. Nessa altura, ele estava a ensinar-nos a ver a sua perspectiva, e como dividir a tela da nossa visão em formas, de maneira que todas encaixassem umas com as outras, para criar este mosaico complexo que vemos em toda a parte.


A semana passada, em Portimão, tive o privilégio de ensinar numa oficina de desenho com ele, sobre perspectivas distorcidas. Tivemos de lidar com pontos de fuga opostos no mesmo desenho. O seu médodo de ensino foi, a invés de se focar no aspecto técnico das perspectivas, mas focava-se simplesmente naquilo que podemos ver. O António mostrou-nos como distorcer edifícios e ruas, e eu tive a tarefa facilitada de mostrar que também se pode fazer o mesmo com pessoas.


Foi um verdadeiro prazer ver o António - um educador experimentado - a lidar com desenhadores de longa data e com neófitos do secundário, com o mesmo cuidado, dedicação e mente liberta. As suas explicações dispensam bibliografia técnica sobre perspectiva, e encorajam a prática da observação directa cuidada e do desenho destemido - duas das minhas coisas favoritas!

Publicado também AQUI